O Abrigamento

É uma modalidade de atendimento que se desenvolve de modo articulado com as demais políticas públicas, oferecendo proteção integral aos assistidos. Para que ocorra o abrigamento é necessário uma solicitação da Diretoria Regional de Assistência Social e Poder Judiciário, sendo a criança ou adolescentes avaliados pela equipe técnica da Entidade, verificando se estão dentro dos padrões de atendimento, conforme rege o Estatuto Social da Instituição. O abrigo para pequenos grupos caracteriza-se pela não privação de liberdade proporcionando assim melhores condições para o desenvolvimento integral e o exercício da cidadania das pessoas portadoras de deficiência, sendo um atendimento provisório que possibilite o retorno à família de origem ou a sua preparação para uma Casa-Lar que é um projeto que visa à independência, consolidação da autonomia e responsabilidade de seus moradores. Atualmente a entidade conta com 27 abrigados, sendo que a maior parte não possui condições de retorno ao convívio familiar, portanto visamos estabelecer uma escala progressiva de desenvolvimento para cada abrigado. Diante do novo paradigma das ações e atividades voltadas à promoção humana e ao desenvolvimento social, o trabalho da entidade e equipe técnica, visa à promoção dos assistidos e seu desenvolvimento social. Atualmente o atendimento também é prestado as PPDs com mais de 18 anos, nos graus severo e profundo e com comprometimento psiquiátrico, pois estes assistidos se encontram sem referência familiar, cronificados na instituição, vítimas do abandono e ausência por um longo período, de um trabalho paralelo com os familiares, o que dificulta ainda mais o desabrigamento. Ao ser solicitado o abrigamento, a criança/adolescente portador de deficiência, passa por um período de adaptação de aproximadamente 30 a 90 dias, sendo sempre acompanhado pela equipe técnica.

Após este período, havendo à adaptação efetiva-se o abrigamento, sendo a criança ou o adolescente portador de deficiência, inserido no projeto terapêutico onde a equipe técnica atuará como elemento de ligação com outros níveis hierárquicos de atendimento, tais como: núcleos e/ou centros de reabilitação, atividades lúdicas, escolas, cursos profissionalizantes, projetos de inserção no mercado de trabalho, geração de emprego e renda, esporte, lazer e iniciativas culturais.

A família será estimulada a comparecer as visitas e reuniões na entidade, onde receberão atendimento, apoio e promoção pela equipe técnica, com a finalidade de se reorganizarem, minimizando as causas que levaram ao abrigamento e consequentemente a reintegração familiar.

Após a reintegração daremos continuidade ao trabalho, acompanhando a família em suas dificuldades diante a nova realidade.

O trabalho de maior relevância do Nosso Ninho é o fato de não apresentar características de Instituição, ou seja, procuramos proporcionar aos nossos abrigados o perfil familiar necessário ao seu reequilíbrio e reestruturação interna, já que todos que nos foram enviados (via autoridade judiciária, conselho tutelar ou instituições diversas), apresentavam um quadro de baixa estima, maus tratos e abandono, o que as levavam a uma inadequação social e familiar, com quadros de agressividade e baixo desenvolvimento. Através da afetividade recebida, atendimentos específicos e a possibilidade de uma vida adaptada à sociedade, sem ficarem restritos a um espaço institucional, apresentaram todos, sem exceção, um crescimento pessoal. Hoje, efetivamente, todos têm no Nosso Ninho um lar, onde recebem AMOR, CARINHO E RESPEITO, e fazem parte de uma sociedade que os acolheu e os respeita.

Rodovia: Manuel de Abreu - S/N - Km 2, fone: (16) 3324-4546
desenvolvido por wab.com.br